Belchior Ano Passado eu Morri, mas Esse ano eu não Morro | Foto: Ivana Mascarenhas
Belchior Ano Passado eu Morri, mas Esse ano eu não Morro | Foto: Ivana Mascarenhas

Visto por quase 20 mil pessoas, o musical Belchior – Ano Passado eu Morri, Mas Esse ano eu não Morro reestreia em São Paulo para uma temporada relâmpago entre os dias 10 e 12 de janeiro, sexta-feira a domingo, no Teatro Liberdade, na zona central da capital.

Narrando a vida do compositor de clássicos como Como Nossos Pais (1976) e Paralelas (1977), o espetáculo passa a limpo a trajetória de Belchior (1946 – 2017) através da figura do Cidadão Comum, personagem constante em sua obra. 

Sob a direção de Pedro Cadore, o elenco é formado por Pablo Paleologo (na pele de Belchior) e Bruno Suzano como o alterego comum do artista. Com texto assinado por Cadore e Cláudia Pinto, Belchior – Ano Passado eu Morri, Mas Esse ano eu não Morro se baseia em pensamentos e declarações de Antônio Carlos Belchior, compositor que ajudou a revolucionar a música popular sem jamais se limitar a movimentos ou a estilos.

Interpretada ao vivo por cinco músicos, a obra de Belchior aparece no musical condensada em temas como A Palo Seco (1974), Na Hora do Almoço (1995), Todo Sujo de Batom (1974), Coração Selvagem (1977), Medo de Avião (1999), Mucuripe (1980), Conheço o Meu Lugar (1999), Como Nossos Pais, Populus (1977), Paralelas, Velha Roupa Colorida (1976), Sujeito de Sorte (1976) e Galos, Noites e Quintais (1977), canções gravadas por nomes como Elis Regina, Erasmo Carlos, Vanusa, Milton Nascimento, entre outros titãs da música popular.

As sessões acontecem às 21h (sexta e sábado) e às 18h (domingo). Os ingressos custam de R$ 40,00 (meia) a R$ 80,00 (inteira).