O Guarda Costas | Foto: Divulgação
O Guarda Costas | Foto: Divulgação

Anunciada no final de 2019, a temporada de 2020 da Broadway, reduto teatral mais lucrativo dos Estados Unidos, localizado na cidade de Nova York, deve ser uma das mais profícuas do mercado cênico. Isso porque uma série de adaptações de blockbuster das telonas e da TV americana devem chegar aos palcos com força.

Longe de ser uma novidade, a adaptação para os palcos de produtos de outras mídias geralmente se impõe como bons vendedores de ingressos ao longo da temporada, ainda que nem sempre se sobressaiam pela qualidade ou gosto da crítica.

Um dos casos mais clássicos é o da comédia musical A Família Addams, que estreou na Broadway em 2010, estrelando Nathan Lane e Bebe Neuwirth, e foi um dos maiores faturamentos da temporada, e praticamente esnobado pelo Prêmio Tony. O musical rodou em uma turnê de sucesso, e teve em seu elenco nomes como Roger Rees (1944-2015) e Brooke Shields no papel do casal Gomez e Morticia Addams.

No Brasil, o espetáculo chegou três anos depois, estrelando Daniel Boaventura e Marisa Orth e se tornou um dos grandes sucessos da produtora Time 4 Fun. Outros musicais, como Shrek, baseado na animação homônima da DreamWorks, Escola do Rock, e Moulin Rouge seguiram a mesma premissa sendo o último o único inédito em palcos brasileiros por enquanto.

A tendência não é novidade, outros filmes já chegaram aos palcos com sucesso de público e de crítica, como foi o caso de Sunset Boulevard, o musical estrelado na Broadway por Glenn Close inspirado no filme homônimo de Billy Wilder que rendeu à Gloria Swanson (1899 – 1983) uma indicação ao Oscar.

Na temporada 2020, estão previstas adaptações de alguns sucessos dos anos 90 e 2000 que, se depender da vontade de seus produtores, não só se manterão com sucesso de público na Broadway, como também seguirão em turnês, receberão indicações ao Tony e devem construir uma rota de montagens internacionais cada vez mais intensa, sendo o Brasil um dos principais mercados a receber adaptações destas obras.

Entre os títulos estão De Repente 30, o clássico filme de 2004 sobre uma adolescente que se vê com 30 anos de idade e precisa aprender a lidar com a nova realidade da vida adulta, e Beaches, doído filme estrelado por Bette Midler e Barbara Hershey na década de 90, que rendeu à Midler um Grammy pela gravação do tema do filme, a (deliciosa) balada Wind Beneath my Wings.

O Guarda-Costas, filme com Whitney Houston que lançou a gravação da cantora para o hit massivo I Will Always Love You, de Dolly Parton, por sua vez, deve chegar ao Brasil até 2021 sob a produção da 4Act Entretenimento, responsável pela montagem de musicais como Fame e Rock of Ages.

Em termos de séries, a sitcom The Nanny já fora prometida para breve e, embora não chegue aos palcos em 2020, já se impôs como um dos produtos que mais movimentou o mercado no início deste ano. Sob a produção da estrela do seriado, Fran Drescher, o espetáculo contará com canções e letras escritas por Rachel Bloom, estrela da série Crazy Ex-Girlfriend.

Bloom, inclusive, tem planos de levar a história de sua série para os palcos, numa adaptação que, por enquanto, não passam de boatos, mas que já conta com movimentações nos bastidores da Broadway, assim como a incerta adaptação da sitcom Friends para a Broadway. A atriz e uma das estrelas da série, Jennifer Aniston havia demonstrado interesse numa possível adaptação, mas a ideia (por enquanto) segue no plano dos boatos.

No Brasil, boa parte destes projetos já tem mercado profícuo. Ainda engatinhando na descoberta de seu próprio material, o país já assinou adaptações de filmes como Lisbela e o Prisioneiro (2003), Lua de Cristal (1990), entre (poucos) outros, mas ainda pode mais.