Angela Maria | Foto: Divulgação
Angela Maria | Foto: Divulgação

Pouco antes de sair de cena aos 89 anos, vítima de uma parada cardíaca causada por complicações de uma pneumonia, a sapoti Angela Maria estava envolvida com uma série de projetos idealizados para festejar seus 90 anos de vida, que seriam comemorados em maio de 2019.

Estavam previstos um segundo disco de voz e violão produzido por Thiago Marques Luiz, um show retrospectivo com a participação da Orquestra Brasileira do Auditório do Ibirapuera que viraria especial para o Canal Brasil, uma minissérie produzida escrita por Manoel Carlos e produzida pela Rede Globo, e um musical biográfico.

De todos os projetos, o único que parece estar em franco andamento é o musical. Intitulado (provisoriamente) Angela Maria – A Rainha do Brasil, o espetáculo contará com a direção de Tadeu Aguiar e com texto de Artur Xexéo, reeditando a parceria de sucesso que rendeu à dupla uma série de indicações a prêmios pela encenação de Bibi – Uma Vida em Musical, musical sobre a cantora e atriz Bibi Ferreira estrelado por Amanda Acosta.

Idealizadora e produtora do projeto, a atriz e cantora Ivanna Domenyco volta aos palcos no papel da estrela da era de ouro da Rádio Nacional, intérprete de clássicos como Babalu, Fósforo Queimado, Lábios de Mel e Escuta.

Esse será o primeiro papel biográfico da carreira da atriz surgida em meados dos anos 90 como cantora capaz de fazer frente à Cássia Eller, com o espetáculo Biografia não Autorizada do Rock. Em 1993, Domenyco estreou nos musicais ao lado da dupla de diretores Charles Möeller & Cláudio Botelho com a encenação de As Malvadas, e desde então emplacou uma série de parcerias com a dupla.


Seu último trabalho nos palcos foi o musical Rodgers and Hammerstein’s Cinderella (2016), também sob a direção Möeller & Botelho. Angela Maria – A Rainha do Brasil deve chegar aos palcos no segundo semestre de 2020.

Ivanna Domenyco